terça-feira, 13 de setembro de 2011

O tango

Sentada nessa cadeira velha, ao relento da noite existe uma pessoa tentando matar seu orgulho para lhe explicar todos os motivos que levam um ser humano a estragar algo tão bonito como "nós". Se você pudesse me ver, minhas lágrimas falariam muito mais que meia dúzia de palavras ou explicações. Aprendi que as letras não falam por si só, que podem facilmente ser mal interpretadas.
De todos os dons que eu tenho o maior deles é ser idiota. Orgulho não explica as minhas burrices, eu sei! Lembra das nossas conversas antes de chegar ao ponto em que morremos? Nossos risos ainda ecoam no meu quarto vazio de mobília e cheio de sentimentos. Teu choro está gravado em mim como se eu continuasse a ouvi-lo noites à fio, misturado ao meu sangue.
Como fazer alguém entender algo que se guarda no íntimo do existencial humano? Não sei! Criei uma imagem de mim mesma que já não consigo desfazer. Talvez um desabafo me faça bem. Sei que você não se prende a essas linhas que, vez por outra, solto por aqui. Sei que, talvez, você nem leia esses meus pensamentos insanos, mas compartilhar parte desse amor que carrego comigo com as pessoas que me acompanham na vida virtual será como me livrar de algemas que aprisionam minha alma.
Existiu um erro entre nós e um erro que não atende por nome de terceiros ou quartos. Um erro camuflado pelo que somos e nos conhecemos. Até os nossos defeitos são idênticos e sabíamos que isso era um perigo. Tão sinceras uma com a outra e mesmo assim tentamos disfarçar o que sentíamos. De tanto nos enganar, nos enganamos. Não dá pra dançar tango com o amor, não dá para empurrá-lo e puxá-lo, isso é tratar um sentimento puro como um jogo, é ferir-se, auto flagelar-se. Não quero dizer com isso que tratamos nossos sentimentos como um jogo ou uma diversão, apenas agimos de uma forma que não era a certa. Quando duas pessoas não se entregam a uma paixão e não pulam juntas do abismo, sem medos, o resultado é uma queda solitária em que o vento toca o corpo como espinhos. Nossas aflições nos causaram isso: essa distância!
Suas palavras martelaram na minha cabeça me ensurdecendo para o que realmente deveria escutar. A fórmula perfeita para o que acabou com a gente foi a sinceridade mais a amizade. Nos desnorteou. Me prendeu a um passado que nem existia mais, mas que foi inflado pela maldade humana. Ciúmes é substantivo de medo, medo de lhe perder. - Perdi! - Perdi antes de tudo, o que mais me amedrontava perder: a minha amiga. Sinto falta de você como se metade de mim tivesse partido.
No fim das contas, tantas coisas em comum não ditavam nada, não foram capazes de nos entrelaçar. Ficou aqui o que me motiva a olhar as suas fotos ou escrever cartas que nunca lhe mandarei.
Se eu pudesse apagar alguma coisa da nossa breve história, eu apagaria o que a gente não viveu, o que não nos cabia. Se há algo que eu irei cultivar é o timbre da sua voz. Entre tantas outras coisas, está guardado dentro de mim o seu olhar pousado na cama a fitar-me enquanto eu fechava a porta de seu quarto. Gosto de pensar que foi naquele momento que eu partir, foi naquele momento que meu coração se partiu.

18 comentários:

  1. A paixão é um dos melhores sentimentos de sentir mas tem um porém só é bom qndo há reciproca

    ResponderExcluir
  2. awn. que texto magnifico! Parabéns pelo blog .. nao conhecia aqui ainda ;s

    http://www.garotasdoseculo.com/

    ResponderExcluir
  3. Belo texto, você escreve muito bem, parabéns. É possível senti-lo;


    http://umlivroqualquer.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Excelente texto, moça!
    Adorei!
    Parabéns! :)
    -
    http://quandotahescuro.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Nossa, que lindo! *-*
    Adorei o texto. Parabéns, senhorita Mari. ^^

    ResponderExcluir
  6. Nossa. Estou sem fôlego.
    com toda licença (poética ou não) acabei me colocando no lugar do destino da mensagem. Poxa, quanta profundidade e atrevimento de emoções.
    A impossibilidade do tango acabou por me machucar também.
    Ah, essas coisas de metade! De dança...

    http://molduraseretratos.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  7. Estava navegando pela net e tive a felicidade de encontrar o seu blog!!!

    Convido você a dar uma passadinha no meu: http://docesonhodemenina.blogspot.com/

    Ah, como amei seu blog, tenho um selinho para você: http://1.bp.blogspot.com/-68Bb05pFul4/Te1BfsqvBeI/AAAAAAAAATM/JPCRr0Mj7R0/s1600/dsm-selinho.jpg

    Mil Sweetkisses!!!

    P.S.: Teve gente que achou esse seu texto complicado. Eu não achei não... E também não gostei... Eu AMEI!!! Profundo, forte, muito bom de ler.

    ResponderExcluir
  8. beelo texto..
    bem legalzinho de ler!

    ResponderExcluir
  9. É incrível como você retrata em palavras a dor e calor de um sentimento tão intenso e tenso pelo que pareceu. Mas enfim ... o amor tem dessas coisas, acredito nas idas e NAS VINDAS e que sejam bem vindas e mais rápidas para você. Parabéns, blog magnífico.

    ResponderExcluir
  10. Sempre bom vir e dar uma passada por aqui. Extasia a alma. Abraços, querida.

    http://opensarnaotemfronteiras.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  11. Muito bom o texto mais é complicado

    adorei o blog

    http://thaa03.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  12. Lindo.
    Amei o que escreveu.
    Pena que as pessoas acabem perdendo,geralmente, pelo medo de perder.
    Parabéns!
    Passa lá!

    http://curtatemporalidade.blogspot.com

    ResponderExcluir
  13. Você é perfeita, Mari! E o texto? Ah..o texto também!
    Xero pra tu

    ResponderExcluir